O que é trabalho remoto e o que não é? Descubra aqui!

maio 20, 2021

Você sabe, de fato, o que é trabalho remoto? Muito se tem falado e feito em relação a esse modelo. Mas, a verdade é que nem todos entenderam o que é exatamente esse novo método de exercer sua função.

Isso aconteceu especialmente porque a maioria das pessoas ainda não estava preparada para entrar nesse sistema, que exige um período de transição adequado e não uma súbita transformação, como aconteceu devido à pandemia.

Assim, inspirada na quantidade de queixas que tenho ouvido nas minhas consultorias e treinamento, venho ressaltar os principais pontos que estão sendo confundidos, bem como explicar a diferença entre o que você provavelmente está vivenciando e deixar claro o que significa trabalho remoto. Confira agora!

O que é trabalho remoto?

Trabalho remoto não é, necessariamente, home office

Para entender o que é este conceito, é muito importante saber o que não é. Então, vamos começar com um erro clássico: esse modelo não é home office

O trabalho remoto é “anywhere office”, ou seja, é uma modalidade que oferece liberdade e autonomia suficientes para ser exercido de qualquer lugar. Dessa forma, ele acontece quando a prestação de serviços é feita a distância: quando o colaborador não está laborando nas dependências do escritório.

Portanto, ele pode acontecer na mesma cidade ou até em outro país, em um coworking, hotel, cafés ou, claro, em casa. Já o home office é o trabalho em casa — cenário que a pandemia obrigou a maioria das pessoas a praticar, mesmo que sem uma devida preparação para acontecer.

Como é a regulamentação do trabalho remoto? 

Embora o teletrabalho tenha ganhado mais força nos últimos dois anos, esse sistema já estava previsto na legislação brasileira há muito tempo. 

Em 2011, a Lei 12.551 ditou os primeiros passos rumo à definição do que seria o até então denominado “trabalho à distância” e, em 2017, com a Reforma Trabalhista e a Lei 13.467, a definição tornou-se ainda mais clara, ao passo que, diferenciou-se o modelo remoto do  externo.

Como a legislação é extensa, caso você deseje saber mais detalhes, o ideal é recorrer à leitura da Consolidação das Leis do Trabalho. Ainda, vale destacar que em virtude da pandemia nos últimos dois anos, alterações na lei ocorreram e muitas outras devem acontecer em breve. Confira as últimas atualizações no tópico a seguir.

O que mudou?

Com o advento da COVID-19 no início de 2020, assistimos a um movimento, ainda que inesperado, abrupto e acelerado, da ascensão do trabalho remoto. Essa substituição de formato atingiu cerca de 11% dos funcionários brasileiros só em 2020, segundo dados do IPEA, o que significou mais de 8 milhões de pessoas atuando através do teletrabalho.

A atualização mais recente que temos em relação à regulamentação do trabalho remoto, refere-se à medida provisória nº 1.108 de março de 2022. Ainda que tais prerrogativas não sejam permanentes, vale conhecê-las para termos ideia do que esperar sobre as diretrizes relativas a esse sistema. 

Confira os principais pontos dessa medida:

  • O teletrabalho passa a ser permitido legalmente para estagiários e aprendizes;
  • Exigência de que a prestação do serviço na modalidade remoto conste expressamente no contrato individual do trabalhador;
  • Os empregadores devem priorizar esse modelo para empregados com algum tipo de deficiência ou filhos de até quatro anos de idade;
  • Possibilidade de contrato de home office em um regime de produção, ou seja, sem controle de tempo da jornada;
  • O empregado que vive fora do Brasil continua sujeito às determinações da legislação trabalhista.

Vale destacar que nessas normas provisórias também embarcam o chamado “trabalho híbrido”, ou seja, aquele em que eventualmente o colaborador precisa locomover-se até a organização.

Direitos do trabalhador remoto

Conforme mencionei, os direitos trabalhistas e previdenciários são mantidos no regime home office. Contudo, algumas mudanças podem ocorrer em relação aos benefícios. 

No caso do vale-transporte, por exemplo, é possível que o trabalhador deixe de recebê-lo, uma vez que não existe mais a locomoção do empregado ao escritório.

Veja os principais direitos no modelo remoto:

  •  A medida provisória assegura que o trabalhador remoto não sofra redução salarial, seja por acordo individual ou pelo sindicato;
  • Todos os benefícios devem ser mantidos. No caso do vale-alimentação, tais recursos devem ser usados apenas para comprar gêneros-alimentícios enquanto que os vale-refeição devem estar definidos segundo acordo ou convenções coletivas;
  • Com relação à jornada de trabalho, caso este seja por produção, o empregado não terá direito ao pagamento de horas extras, adicional noturno e outros pagamentos relacionados à jornada;
  • Todos os direitos permanecem, assim como os previdenciários.

A comunicação no trabalho remoto é assíncrona

Para prosseguir, é fundamental que você compreenda o significado da comunicação síncrona e assíncrona. A diferença tem a ver com o momento de resposta, e não com o ambiente realizado. 

Comunicação síncrona é quando o diálogo acontece ao vivo, em que a pessoa fala e é respondida no mesmo instante. Esse método era a mais conhecido nos escritórios, quando era comum fazer reuniões presenciais, passar na mesa do colega e perguntá-lo algo ou, até mesmo, em chats com respostas instantâneas.

Já o meio assíncrono é desconectada em relação a tempo e espaço. A mensagem é emitida e recebida em momentos diferentes, de acordo com a disponibilidade das pessoas. 

Ela já acontecia nos escritórios através de e-mails, SMS e recados enviados no papel ou no ambiente digital. No trabalho remoto — apesar de ainda acontecer a comunicação síncrona em videoconferências e chats, por exemplo — o dialogo entre colaboradores é (ou deveria ser) essencialmente assíncrona

Trabalho remoto não se resume a videoconferências

Um erro comum que aconteceu na transição forçada para o remoto foi a tentativa de replicar o presencial, mantendo a comunicação síncrona como base e lotando as agendas com reuniões. 

Esse erro está gerando consequências graves para a produtividade coletiva, a saúde mental e a qualidade de vida das pessoas. Sem tempo para produzir o trabalho principal devido ao excesso de reuniões, as pessoas estão ficando mais estressadas e ansiosas, fazendo muitas horas extras e perdendo o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Uma pesquisa recente do Laboratório de Fatores Humanos da Microsoft confirmou a percepção de diversos profissionais, durante esse período: muitos encontros online em sequência causam fadiga mental. 

“Os intervalos são importantes, não apenas para nos deixar menos exaustos até o final do dia, mas para realmente melhorar nossa capacidade de concentração e engajamento com essas reuniões”, diz Michael Bohan, que supervisionou o estudo. 

Estar online não significa estar à disposição

É fundamental entender que, na comunicação assíncrona, estar online não significa estar à disposição. A pessoa do outro lado pode estar ocupada, realizando alguma tarefa ou simplesmente tratando com prioridade um assunto mais importante. Logo, no meio remoto, o respeito pelo tempo e liberdade do outro é fundamental.

Idealmente, valoriza-se a entrega em detrimento das horas trabalhadas, existindo liberdade e autonomia para a escolha de horários. 

Para isso, é importante estabelecer acordos que facilitem a todos. Nesse modelo mais avançado, o momento síncrono é muito especial, pois priva a liberdade dos outros. Ele deve ocorrer somente em casos de real necessidade, diminuindo o volume de reuniões e focando em soluções assíncronas.

O trabalho remoto é uma evolução nas relações de trabalho

Nem todas as profissões se encaixam nesse modelo de trabalho, como por exemplo a maioria dos profissionais de saúde que precisam exercer suas atividades presencialmente. 

Contudo, após um ano de pandemia, é notável que existem mais empresas e profissões com potencial para evoluir as suas relações para o remoto, em um processo que inclui ser “remote friendly”  a “remote first” — estratégia organizacional que torna o modelo remoto a opção principal para a maioria ou todos os funcionários.

Mesmo com as diferenças em níveis de evolução de autonomia, e até com diferentes preferências para o local em que a função do colaborador pode ser executada, as técnicas desse sistema (se bem aplicadas), valorizam os funcionários e evitam disfunções de equipes. 

Elas fazem parte da evolução do trabalho, fortalecem relações de respeito, autonomia e comprometimento de todos e sustentam a cultura e a eficiência em escala. São sugestões para todas as companhias, mesmo para aquelas que pretendem manter os escritórios.

O trabalho remoto é uma questão cultural

Dentro do cenário atual do trabalho remoto, a questão cultural assume como ponto fundamental para que essa modalidade seja um sucesso, tanto sob o ponto de vista do colaborador quanto do empregador.

A empresa cuja cultura é conservadora, que apresenta processos engessados ou existe a tendência ao microgerenciamento, dificilmente se adapta a essa nova realidade. 

Nessa perspectiva, a mudança para este novo modelo precisa ser pensada cuidadosamente, com acompanhamento de profissionais e consultores especializados. Toda uma mudança no mindset deve ser feita, bem como, a demanda por uma transição de comunicação, liderança eficiente, organização e planejamento.

Mais comum do que imaginamos, o caso Elon Musk é um exemplo dessa situação. Ainda que a Tesla seja uma das maiores organizações do mundo, o notório empresário criticou abertamente, em diversos momentos, o quanto não concorda e não lhe agrada o modelo de trabalho remoto.

Embora cada caso tenha suas particularidades, o teletrabalho é uma verdadeira evolução na forma de trabalhar e tudo indica que a tendência continuará por muito tempo.

Agora que você já entendeu o que é trabalho remoto, será mais fácil lidar com a nova rotina laboral e determinar qual é o limite desse modelo. Isso possibilitará uma melhor organização do seu tempo e da sua equipe, consequentemente, o aumento na performance, além de mais qualidade de vida e satisfação.

Quer entender melhor sobre como está a produtividade do seu time? Faça agora mesmo o teste do Termômetro da Performance e avalie a temperatura do seu time! Além disso, se quiser se organizar para alcançar seus objetivos, adquira agora o planner de metas especialmente elaborado por mim para te ajudar na sua rotina. Ele pode ser a ferramenta que faltava para o seu sucesso!

marília cordeiro

Criadora de conteúdo e da metodologia Organização Sincera.

Desde 2018 eu facilito a vida de pessoas e empresas com um workflow simples e empático de gestão do tempo.

0 resposta em “O que é trabalho remoto e o que não é? Descubra aqui!”

receba dicas sinceras e práticas de produtividade em seu email

Na medida certa. 
100% privacidade.Sem Spam.

sobre marília cordeiro

Desde 2018 trabalho especificamente com produtividade, trabalho remoto e empreendedorismo. Aqui no blog, compartilho conteúdos mais completos, conceitos relevantes e reflexões para levar para você e sua equipe dicas práticas para o dia a dia. Aproveite para aumentar seu conhecimento e se inscreva para receber as novidades!

Leia mais sobre mim.

categorias

preparado para transformar a produtividade da sua empresa?